Justiça determina que Marinha aceite inscrição de candidato barrado por tatuagem

    Matéria originalmente publicada pelo O GLOBO.

     

    Magistrado afirmou que desclassificação foi "ilegal, arbitrária e preconceituosa".

    BRASÍLIA — A Justiça Federal de Brasília determinou que a Marinha aceite a inscrição de um candidato que havia sido reprovado em um concurso do órgão apenas por sua tatuagem. O juiz João Carlos Mayer Soares , da 17ª Vara Federal, considerou que a desclassificação foi “ilegal, arbitrária e preconceituosa”.

    O autor da ação prestou concurso para o Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais, que será iniciado em 2018. Em agosto, ele chegou a ser considerado apto. Após a aprovação, no entanto, ele foi desclassificado depois de o edital do curso ter sido retificado, justamente no trecho que determinava que tipo de tatuagem poderia levar à desclassificação.

    O texto original diziam que eram proibidas “tatuagens que façam alusão à ideologia terrorista ou extremista contrária às instituições democráticas, à violência, à criminalidade, à ideia ou ato libidinoso, à discriminação ou preconceito de raça, credo, sexo ou origem ou, ainda, à ideia ou ato ofensivo às Forças Armadas”. Após a alteração, passou a constar também o trecho “tatuagens que contrariem o disposto nas Normas para Apresentação Pessoal de Militares da Marinha do Brasil”.

    O magistrado considerou, no entanto, que, mesmo após a retificação, o candidato seguia não descumprindo as regras, já que as normas que foram referidas no edital são baseadas na Lei 1.1279/2009, que determina as mesmas proibições que já estavam no documento.

    “Como se vê, não se enquadra em nenhuma das exceções previstas nos normativos que regem a matéria, a saber, não faz alusão a ideologia terrorista ou extremista, não incita a violência, criminalidade, tampouco ideia ou ato libidinoso ou ato ofensivo às Forças Armadas”, escreveu João Carlos Mayer Soares

    Na decisão, o juiz ainda afirmou que o fato do personagem Popeye, que tem diversas tatuagens, ser utilizado para representar a Marinha “seria capaz de repelir qualquer comentário no sentido de preservação da imagem da Instituição”.

    Em agosto de 2016, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que uma pessoa tatuada não pode ser impedida de ocupar cargo público. Os ministros estabeleceram que, para fazer concurso, o candidato poderá ter tatuagem de qualquer tamanho, visível ou não. A exceção determinada foi para desenhos ou mensagens ofensivas, que incitem violência, racismo ou preconceito sexual, ou que estampem obscenidades.

    Dúvidas, sugestões ou mais informações?

    Fale Conosco

    Dúvidas, sugestões ou mais informações? Entre em contato com a Ajufe. Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

    Os campos com asterísco (*) são de preenchimento obrigatório.
    4 + 3 = ?
    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org