Uso da tecnologia blockchain, inovações na organização judicial e centros de inteligência são debatidos no segundo dia do III FONAGE

     

    A necessidade de inovação do Poder Judiciário trouxe à tona debates importantes no segundo dia do III FONAGE, realizado pela Ajufe, em Natal (RN). Nesta terça-feira (5), os painéis abordaram os seguintes temas: "Os possíveis reflexos da tecnologia Blockchain no processo judicial e administrativo eletrônicos e governança do Poder Judiciário"; "Mudanças no design organizacional judicial"; e "Centros de inteligência e monitoramento de demandas repetitivas".

    Inicialmente, o diretor de operações da AB2L - Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs -, Leonardo Toco, deu exemplos práticos do uso da inteligência artificial como aliada à busca por celeridade na tramitação de processos. A tecnologia do blockchain, por exemplo, visa a descentralização como medida de segurança e retira a necessidade de intermediários, acelerando a análise dos casos.

    Na sequência, a diretora administrativa da WEGOV, Gabriela Tamura, explicou como a inovação auxilia o Poder Judiciário a otimizar o seu design organizacional. Para ela é preciso desconstruir o mito de que é impossível inovar no sistema jurídico. Tamura ainda citou a relevância da integração no processo inovador. "Quando trabalhamos em rede e de forma colaborativa, o design organizacional muda para melhor", afirmou.

    O terceiro painel contou com um profundo debate sobre os centros de inteligência e o monitoramento de demandas repetitivas. Os painelistas, juízes federais Vânila Cardoso André de Moraes e Marco Bruno Miranda Clementino, falaram sobre a política de prevenção, monitoramento e gestão de precedentes para dar celeridade no julgamento dos processos, tendo em vista que a cada 5 segundos um novo caso é ajuizado.

    "Os centros de inteligência são uma rede, não uma hierarquia. É a possibilidade que temos de nos fazermos ouvir desde a base da justiça. Se não for desta maneira, não há como solucionar de forma verticalizada", destacou Vânila Cardoso.

    Acompanhando a proposta de inovação, os participantes do Fórum puderam fazer perguntas, em tempo real, por meio do chat no aplicativo da Ajufe e, a exemplo do II FONAGE, os juízes federais fizeram uso do pitch - apresentações curtas que despertam o interesse do público - para contar suas experiências de inovação no sistema judicial.

    Acesse aqui as fotos do dia.

    Dúvidas, sugestões ou mais informações?

    Fale Conosco

    Dúvidas, sugestões ou mais informações? Entre em contato com a Ajufe. Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços prestados.

    Os campos com asterísco (*) são de preenchimento obrigatório.
    4 + 3 = ?
    © Ajufe - Associação dos Juízes Federais do Brasil - Todos os direitos reservados.

    Ajufe.org